Reformulação de identidade

Demônios Da Garoa
17 de setembro de 2019
Mídia Exterior – Sempre em alta!
17 de setembro de 2019

Com o tempo muitas empresas passam a reavaliar sua identidade corporativa, seus padrões e por fim, sua própria logomarca. São famosas e até polêmicas algumas das alterações de logomarca mundo à fora, como Kibon, Kolynos, entre outras que muitos de nós presenciamos no Brasil. Há marcas que se alteram mais do que deveriam em uma tentativa de se tornarem mais atuais, reconquistar destaque no mercado enfim.

Há então aquelas que se mantém praticamente inalteradas pelos anos, e pouco ou nenhuma alteração sofrem não importa o que o tempo imponha.
Alguns exemplos são Coca-Cola, IBM, Phebo, Mercedez etc Isso serve como segurança para os consumidores, muitas vezes demonstrando a estabilidade e credibilidade que a marca tem a oferecer.

Por muitos motivos como estes, é delicado ficar mudando uma logomarca à esmo. Ainda mais importante se torna acertar desde o começo na imagem da marca que vai ser criada, e em cima da qual será investido tempo, esforço, publicidade e dinheiro – para que no futuro ela dure e não fique sendo alterada.

Temos encontrado diversas empresas, que após apenas um ou dois anos de uso já começam a mexer em suas logomarcas que mal começaram a caminhar e se firmar, e empresas que resolvem jogar fora anos de uma logomarca já firmada e estabelecida, simplesmente por estarem por demais acostumados com ela. Nestes casos o melhor seria fazer alterações somente onde houver necessidade, tentando manter o máximo possível a personalidade e visual já conhecido pelos clientes da marca.

Um bom exemplo disso é o recente trabalho realizado para a marca A Flor da Pele, onde, ao reformar toda a estrutura física da loja, foi aproveitado o momento para atualizar a logomarca.  
Segundo a análise, apenas um elemento precisaria ser refeito – a flor – que na logomarca antiga parecia na verdade uma flor morta ou murcha. Além disso criava um elemento que desequilibrava graficamente o design, tornando ineficiente sua utilização em materiais e formatos reduzidos. A cor também foi fortalecida, passando do amarelo para a cor mais simbólica da cidade de Holambra onde nasceu a marca: a tulipa rosa.